Faça a sua parte Rotating Header Image

O mar está para tubarão

Em alguns lugares, como o Recife, aqui no Brasil, estatísticas e notícias registram casos de turistas que, alheios aos avisos da presença desses animais, preferiram curtir a praia dentro da água e foram atacados por tubarões.

Não queremos culpar as vítimas pelos ataques, absolutamente; apenas ressaltar como é evidente que sabemos muito pouco sobre a mudança de comportamento dos tubarões nestas áreas de risco, e que campanhas de conscientização precisam ser mais intensamente divulgadas nestas regiões onde se registram ataques de tubarões.

100 milhões de tubarões são mortos por ano

O tubarão é um dos animais mais temidos do planeta. No entanto, a probabilidade de um ser humano ser atacado por um deles é relativamente pequena. Cem milhões de tubarões são mortos por humanos a cada ano. O tubarão tem um papel fundamental no ecossistema marinho e na natureza e é importantíssimo que as pessoas não o considerem um vilão.

O tubarão não é um comedor de gente, mas mordedor. Pela falta de alimento, ele pode estar procurando outros tipos de presa e confundindo o homem com uma delas. Entender as causas dos ataques serve, dentre outras coisas, para mostrar que ele não é o vilão do mar, como o imaginário popular construiu ao longo dos anos.”  – Otto Gadig, biólogo e professor da Universidade Estadual Paulista -Unesp ( leia mais)

Nossa querida bióloga  Lucia Malla, apaixonada por tubarões, animais  que considera “evolutivamente magnânimos e que vêm sendo dizimados por motivos desanimadores”,  já demonstrava, em 2006,  neste post: “Os tubarões de Recife“,  a preocupação com que mais pessoas passassem a entender a grande problemática ambiental que envolve o assunto dos ataques naquela região do Brasil.

LuciaMalla mergulhando com tubarões

Lucia lembra que, há cerca de 40 anos, eram raros os ataques de tubarão em Recife. Eles habitavam mais ao sul, em uma região costeira de manguezais, ideal para sua reprodução. Com a construção do Porto de Suape, em Pernambuco, destruiu-se o referido manguezal, e, com o hábitat destruído, os tubarões passaram a nadar mais ao norte , justamente onde está Recife, por suas águas mais quentes e com mais possibilidade de encontrarem alimentos.

Humanos não são parte da dieta de tubarões. Em geral, os ataques são reflexo de uma “petiscada” que o bicho dá em algo se movimentando na superfície da água que ele quer saber se é alimento. – Lucia Malla (Leia mais)

Quando o meio ambiente não é degradado e está equilibrado, os ataques não acontecem. Em muitos lugares, como Fernando de Noronha, por exemplo, os tubarões e seres humanos convivem em relativa harmonia: eles no mar, e as pessoas, na praia. Segundo Léo Veras, engenheiro de pesca e pesquisador de tubarões, não há registro de ataques  de tubarão a humanos, porque existe algo como “um sensato acordo de paz”.

É necessário que tratemos deste assunto com mais clareza sobre os perigos de um ataque, para as pessoas se conscientizarem de que, ao entrar no mar, a “casa” dos tubarões, correm risco de serem confundidas com alimentos destes animais. Talvez por falta de informação a respeito dos hábitos destes animais em águas turvas ou de não levarem tão a sério tais informações.

É ainda importante que, nesses locais onde se verificam maior presença de tubarões, os primeiros socorros  sejam mais eficientes, com linha direta IMEDIATA com o pessoal de emergência, com helicópteros para levar a vítima ao hospital mais rapidamente.

Os equipamentos dos salva-vidas nas praias precisam ser mais eficazes, com certeza, porém, acima de tudo, é urgente que haja mais educação ambiental por parte dos turistas e frequentadores dos locais perigosos, não apenas com placas de advertência, mas com informações detalhadas quanto aos hábitos destes animais e quanto ao nosso comportamento nestas áreas.

Sempre é bom lembrar que o mar é o lar natural dos tubarões. Nós somos as visitas e devemos respeitar o território deles. Temos muito a aprender ainda:

Deveríamos entrar no mar sabendo que atitudes de respeito e informação são fundamentais para a boa convivência entre nós, humanos, e os demais “donos” daquela casa. Com uma postura assim, é menor a probabilidade de acidentes acontecerem.(Lucia Malla)

 Afinal, o mar está para tubarão! Estes lindos.