Faça a sua parte Rotating Header Image

Aquaponia: alimentação saudável ao alcance de todos

Aquaponics15

Já faz um tempo que André e eu cozinhávamos entre a gente a idéia de ter um jardim – na realidade, uma horta. O problema maior é que moramos em apartamento, e um jardim, com a quantidade de vegetais que queríamos para nossa “subsistência”, requer um espaço que a gente não tem.

Por outro lado, confesso que nunca tive muito jeito pra jardinagem. Minhas experiências na faculdade com plantas sempre foram mal-sucedidas: eu conseguia matar cactos de sede, pra vocês terem uma idéia. De modo que, com esse histórico nada promissor mas uma vontade enorme de comer uns vegetais frescos colhidos “do quintal”, me animei muito quando André levantou a possibilidade de montarmos um sistema mais “independente” de horta: a aquapônica.

Aquaponia, em resumo, é a combinação de hidroponia com aquacultura. A “ciência & tecnologia” por trás do sistema é baseada no ciclo de nitrogênio. Os peixes que você cria excretam compostos nitrogenados como amônia. A água onde o peixe está fica então “nitrogenada”, e esta água é a que “rega” o seu jardim (não é bem regar, vocês vão ver abaixo). O canteiro está cheio de bactérias que convertem amônia em nitritos, que repassam os nitritos para outras bactérias fixadoras de nitrogênio, que se encontram nas raízes das plantas cultivadas em simbiose. Estas últimas bactérias transformam nitritos em nitratos, fixando em última análise o nitrogênio do peixe, e facilitando para as plantas o absorverem e transformarem, no final das contas, em folhas, flores e frutos.

aquaponia

Diagrama geral de um sistema aquapônico. Tirado daqui.

O sistema é praticamente fechado, autônomo e de crescimento ultra-rápido. Além disso, é orgânico e principalmente local (mais local que a sua própria casa, impossível), não depende de nenhum gasto de petróleo para chegar até a sua cozinha. E, dependendo do jeito que você o monta, pode ser bastante sustentável, até auto-sustentável. (No passo a passo abaixo explico melhor.) É uma solução prática e extremamente útil para o futuro, já que torna cada “aquaponista” até certo nível independente para sua própria alimentação. Além disso, o sistema é ideal para um ambiente urbano (mas não só ele), onde espaço é bem limitado. E, chantillizando ainda mais a aquaponia, você tem no final das contas controle total sobre o sistema, e esta é talvez a maior vantagem da aquaponia sobre qualquer outro princípio de produção em pequena escala de alimentos. (Imagine sistemas aquapônicos nos telhados dos prédios, uma área de concreto enorme inutilizada na maior parte das vezes… E já tem gente pensando em aquaponia em larga escala, já pensou que maravilha?)

Então eis que no fim de semana em abril em que eu estava em Washington, André e Kai, amigo nosso doutor em Zoologia e super-expert em aquaponia (ele faz diversos projetos assim pra instituições do governo aqui no Hawai’i), se juntaram, compraram os materiais necessários e iniciaram o projeto “Aquapônica dos Malla”.

Portanto, eu não vi o dia inaugural do projeto. Mas desde então, venho “trabalhando” nele diariamente – e cada dia mais apaixonada por tudo. Já fizemos diversos pratos usando ingredientes da nossa aquapônica, e tenho o maior orgulho de ver todas as hortaliças crescendo felizes. Jamais imaginei que um dia eu diria isso, mas jardinagem é o máximo! (Minha vó falava que era “coisa de velho”… acho que envelhecemos bem então. :D )

Deixo aqui um passo a passo fotográfico de como a nossa aquapônica começou – e no pé em que está agora. Quem sabe anima algum(a) amigo(a) a testá-la em sua casa também, né? Eu recomendo muito.

 

1º passo – os canteiros e os tanques

Nós escolhemos ter 4 canteiros, por questões de espaço. Para alimentar 4 canteiros, estamos usando 2 tanques de ~100 litros, conectados entre si em um ponto baixo do tanque – portanto a água dos 2 tanques se mistura bem. (Na foto abaixo, apenas um dos tanques aparece, no chão.)

Aquaponics4

Temos cerca de 20 peixes, e são tilápias nilóticas (Oreochromis niloticus) que o Kai deu pra gente. Elas são malhadas e rosadas, bem bonitinhas. Para quem não sabe, o André, além de über-fotógrafo (opinião imparcial, como vocês bem sabem, hehehe), é doutor em Zoologia e especialista em fisiologia e endocrinologia de tilápias, portanto, melhor peixe não há pra gente usar no nosso sistema. :P

Aquaponics6

O peixe é a chave do sistema de aquaponia, então você quer colocar no seu tanque um peixe que não exija muito em termos de fisiologia nem manutenção e que produza muitas fezes, para ter bastante nutriente disponível para as plantas.

Aquaponics9

Os canteiros precisam então ser “furados” para colocar um sifão, como na foto acima. O sifão regula a água que sairá do canteiro por um cano de drenagem, fazendo com que a água do solo “vaze” de tempos em tempos, como numa maré. Esse movimento da água é importante para que as plantas estejam sempre recebendo água na quantidade correta, nem demais nem de menos.

 

2º passo – encanamento

Aquaponics2

Percebam que os moços se divertiram fazendo isso… a cerveja gelada ao lado dos joelhos e T’s confirma o fato. :P

Uma vez preparados os canteiros e tanques, hora de conectá-los com canos. O cano do sifão é o de drenagem, mas precisa colocar também o de “entrada” da água nos canteiros, que vem direto do tanque dos peixes – no nosso caso, a entrada foi dividida em 2, com um cano pra cada lado em cada canteiro, conectado com torneiras, pra que você possa desligar o sistema quando quiser/precisar (pra fazer algum conserto, ou mudar a posição, etc.).

O único gasto de eletricidade do sistema entra aqui: você precisa de uma bomba (pequena) para jogar a água do tanque para os canteiros. Fizemos os cálculos e custará cerca de 6 dólares por mês na nossa conta de luz a manutenção dessa bomba. Mas o Kai, que é todo “verde”, disse que dá pra manter a bomba com energia solar (é o que ele faz na casa dele), o que tornaria o sistema energeticamente limpo. Prevejo que este será nosso próximo passo…

Aquaponics13

Aquaponics11

Kai trabalhando nas conexões…

No final, o resultado da colocação dos canos ficou assim:

Aquaponics5

A água da drenagem volta pro tanque dos peixes, filtrada pelas pedrinhas. Além disso, um pouco dessa água é desviada para formar um sistema de aeração dos tanques, e cai nos tanques fazendo uma pequena “cascatinha”, que oxigenará a água dos peixes.

 

3º passo – o solo

Na verdade, não se usa terra. Então, parte significativa dos problemas de uma lavoura com pestes e doenças já é eliminada aqui. O ideal é cobrir os canteiros com cascalho poroso – no nosso caso, pelo preço barato e disponibilidade, usamos pedra de lava preta, que é rica nos minerais que a planta precisa, super-porosa e leve.

Aquaponics8

Independente do cascalho que você escolher, você precisa lavar estas pedras antes de cobrir os canteiros com elas. Essa é a parte mais chata do processo. Como o Kai faz isso pra viver e conhece todos os vendedores da ilha, quando a gente foi comprar as pedras ele imediatamente já pediu pra lavá-las na loja mesmo, facilitando nossa vida de moradores de apertamento – afinal, pedra, mesmo de lava que é mais “levinha”, ainda pesa muito e teríamos que levar tudo até o primeiro andar pra “mangueirar” de forma eficiente.

Aquaponics1

Uma vez que você encha os canteiros com o cascalho, precisa ligar o sistema (ou seja, deixar a água circulando) e esperar cerca de uma semana para começar a “plantação”. Esse é o tempo para que as bactérias da flora intestinal dos peixes (expelidas com as fezes) comecem a popular o cascalho, de modo que quando as plantas forem ali colocadas, as bactérias do peixe já estão ali, prontas para iniciar os trabalhos a simbiose. :D

Além disso, as pedras servem como sistema filtrador da água drenada. Ela voltará pro tanque dos peixes limpa, tornando o ambiente sempre agradável para o ciclo de vida deles.

 

4º passo – as plantas

Uma semana depois, começamos a plantação. Eu tinha recebido umas sementes de manjericão numa dessas milhares de cartas de spam que chegam diariamente pra gente na nossa caixa de correio. Resolvi colocar em um dos canteiros. Aproveitamos e fomos numa loja de jardinagem e compramos umas mudinhas, tudo não custou mais de 10 dólares. Plantamos: alface (uns 20 pés), pepino, tomate, cebolinha (pegamos uma que tínhamos na geladeira que estava estragando, usamos na comida e plantamos os cotocos), coentro (também plantamos o que estava na geladeira), tomilho, beringela, hortelã, cebolinha-capim (chive, em inglês), manjericão, pimentão, brócolis, rúcula e endro (dill, em inglês).

Um dos canteiros ficou assim:

Aquaponics3

(Repare a cebolinha só no cotoco, e os gazilhões de pés de alface.)

DUAS semanas depois, o mesmo canteiro já estava assim:

Aquaponics7

O pepino ficou louco e cresceu alucinadamente! No momento, já está quase chegando ao chão. Detalhe: ontem comemos algumas destas alfaces e as cebolinhas também já foram utilizadas em refeições, junto com o coentro, a hortelã e o manjericão.

É claro que a escolha das plantas depende de um monte de variáveis. Se você mora numa área de clima frio, dê preferência a plantas que agüentam o frio, ou monte o sistema numa área aquecida. É preciso ter luz também, então o quintal é a melhor escolha. Plantas tuberosas (batata, inhame, cebola etc.) não funcionam muito bem por causa do movimento da “maré” aquapônica, embora tenha jeito para plantá-las, se você tiver mais espaço. Plantas que não gostam de muita água, por motivos óbvios, também não devem se dar muito bem em aquapônica.

As plantas não precisam de fertilizantes, pois a água do peixe já é rica o suficiente em nutrientes. Não precisa usar pesticidas – aliás, não se deve, porque eles podem matar o peixe. Lembre-se: tudo que você põe na planta, termina chegando no peixe de alguma forma, é uma brincadeira de ecossistema deliciosa.

A maior parte dos insetos problemáticos não se estabelece porque não tem “solo” de terra, é tudo pedra.

As sementes também não devem ser plantadas muito no fundo. Por causa da maré aquapônica, se a semente estiver muito no fundo, a raiz inicial ficará o tempo todo dentro d’água, fazendo com que ela apodreça. Plantas maiorzinhas devem ter a raiz encostando na água de maré cheia, de modo que quando o canteiro esvazia, estas raízes secam um pouco.

 

5º passo – o ciclo da água

Uma das vantagens que eu mais gosto no sistema aquapônico é que não preciso regar (ver história do cacto acima). O sistema se auto-rega. Ou seja, o único trabalho que a gente tem é alimentar o peixe – e a tilápia é super-resistente, você pode alimentá-la uma vez a cada 2 dias – mas ela pode resistir a até 2 semanas sem alimento sem se comprometer fisiologicamente. Nós damos ração de peixe, comprada na loja de rações. A ração é super-balanceada, e dá todos os nutrientes básicos para uma vida saudável pro peixe. E esta é a única razão pela qual chamo o sistema de “quase-fechado”, porque você ainda é responsável por um pouco de input, ao alimentar o peixe.

O maior gasto de água é no primeiro dia, quando você monta o sistema e precisa encher o tanque dos peixes. Ali vão, de uma tacada só, quase 40 galões de água. Mas, uma vez cheio, teoricamente você não precisa mais encher . A mesma água vai cheia de nutrientes pros canteiros e volta filtrada para os peixes. Há uma porcentagem de evaporação natural, e uma vez a cada mês a gente completa com água de novo – uma porcentagem muito pequena, devo dizer. Dá pra tornar esse “completar com água” em algo sustentável também, basta usar um coletor de água da chuva e ligá-lo com uma cisterna ao tanque do peixe. Assim nem com a evaporação natural você se preocupa mais (é isso que o Kai faz com alguns dos canteiros de aquapônica que ele tem na instituição onde trabalha, gerando assim sistemas quase 100% sustentáveis e super-hiper-eficientes energeticamente, by the way).

 

6º passo – problemas

Nosso maior problema tem sido os pássaros. Os pombos adoram bicar nossas alfaces, já descobriram o “fast-food” da varanda. Além disso, pusemos uma rede ao redor do tanque dos peixes para evitar que garças comam os peixes também – isso acontece com os peixes experimentais do André. Próximo passo será um espantalho. :P

A rede ao redor do tanque também serve a outro propósito (na verdade, o propósito inicial foi esse): diminuir o crescimento de algas na água e evitar uma “maré vermelha” na aquapônica – na foto inicial do post dá pra ver a rede cobrindo os tanques. Há um pouco de alga que cresce na água, inevitável. Mas você não quer que elas tomem conta, exauram o oxigênio da água e matem os peixes. Então um ambiente mais escurinho facilita isso. A tilápia não se importa, já que a cobertura da rede é vazada e deixa uma penumbra agradável e fresquinha pro tanque.

Há também um déficit de ferro inerente ao sistema. Para saná-lo, uma vez por mês, nos 3 primeiros meses, você adiciona sulfato ferroso em pó entre as pedras. Depois, pode fazer isso uma vez a cada 6 meses.

Há também um investimento inicial, em canteiros, canos, pedra, peixe, etc. Mas, é claro, cada um desses itens pode ser repensado de forma mais econômica ainda principalmente se quisermos levar o sistema a comunidades carentes, populações necessitadas, etc. Seja criativo(a). Reuse, recicle. ;)

O único input constante do sistema é a ração que se dá pros peixes, como dito acima. Esse é o ponto onde a pegada ecológica ainda é alta. Afinal, ração de peixe em geral contém 20% de pescado, que portanto depende de pesca e petróleo para transporte. A ração, porém, possui ômega-3 e proteínas que facilitam o crescimento da tilápia, o que é vantajoso para a saúde do peixe e pro sistema. Você pode, como alternativa ecoconsciente, usar alface para alimentar o peixe – mas aí o metabolismo do peixe diminui bastante e as plantas vão crescer mais devagar. Ou seja, este é um ponto em que a aquaponia precisa ser (re)pensada um pouco mais para poder então ser considerada 100% verde. Mas acho que, mesmo não sendo 100%, os 90% que ela já é de verdice valem à pena numa primeira instância, vocês não acham?

 

7º passo – benefício colateral não-esperado

O barulhinho da água circulando na aquapônica melhorou em uns 1000% nossa qualidade de sono. Insônia, never more. Parece que saímos da cidade e estamos agora ao lado de uma cachoeira eterna – mesmo estando obviamente ainda dentro da cidade, com buzinas, sirenes e afins ao nosso redor. A água abafa um pouco toda essa poluição sonora. O barulho da água correndo me deixa mais focada, me sinto mais relaxada… enfim, é mentalmente saudável.

Espero que vocês se animem a montar uma aquapônica em casa. Eu estou amando!!!! :) ))

****************

- O Kai é muito criativo mesmo. Um exemplo para André e eu, que ainda temos que comer muito feijão para podermos dizer que somos “ecologicamente corretos” assim… Ele nos contou que montou dia desses uma aquapônica e hidropônica móvel, para um projeto do governo dedicado aos sem-teto (os “homeless”) do Havaí. Assim os sem-teto, que não têm um quintal definido, têm também condição de usufruir de comida saudável se tiverem interesse. Além disso, ele vem montando sistemas de aquapônica em diversas comunidades e escolas aqui do Havaí. E vai, de canteiro em canteiro, fazendo a parte dele por um mundo melhor, mais ecoconsciente. Bacana, não?

- Este post foi publicado em 15 de maio de 2011 no meu blog pessoal. Desde então, tem sido um dos mais populares, e fico feliz em saber que as pessoas estão atrás de informações sobre esse sistema simples, “de apartamento”, que tem nos dado um retorno fantástico.

34 Comments

  1. Lucia Malla says:

    Compartilhando: Aquaponia http://t.co/leIahsR #façaasuaparte

  2. Aquaponia: alimentação saudável ao alcance de todos – by @luciamalla #Façaasuaparte http://t.co/8eqhqxm (@deniserangel)

  3. RT @luciamalla: Compartilhando: Aquaponia http://ping.fm/YHcne #façaasuaparte [Show! Quero um!!!]

  4. A horta aquapônica de @LuciaMalla em sua casa: como fazer,o q plantar, por que fazer. RT pls #Façaasuaparte http://t.co/8eqhqxm

  5. Aquaponia: alimentação saudável ao alcance de todos – by @luciamalla #Façaasuaparte http://t.co/8eqhqxm (@deniserangel)

  6. Compartilhando: Aquaponia http://t.co/leIahsR #façaasuaparte

  7. Fleur Noire says:

    Aquaponia: alimentação saudável ao alcance de todos – by @luciamalla #Façaasuaparte http://t.co/8eqhqxm (@deniserangel)

  8. Aquaponia: alimentação saudável ao alcance de todos – by @luciamalla #Façaasuaparte http://t.co/8eqhqxm (@deniserangel)

  9. incrível RT @deniserangel: A horta aquapônica de @LuciaMalla em sua casa: como fazer,o q plantar, por que fazer. http://t.co/8eqhqxm

  10. Lendo o artigo da @luciamalla, indicado pela @deniserangel e @samegui. Realmente incrível, vou estudar sobre http://t.co/8eqhqxm

  11. Atitude Eco says:

    Lendo o artigo da @luciamalla, indicado pela @deniserangel e @samegui. Realmente incrível, vou estudar sobre http://t.co/8eqhqxm

  12. Lendo o artigo da @luciamalla, indicado pela @deniserangel e @samegui. Realmente incrível, vou estudar sobre http://t.co/8eqhqxm

  13. Iza Cavallet says:

    Tudo de lindo RT @TopsyRT: Aquaponia: alimentação saudável ao alcance de todos ##facasuaparte http://t.co/XQJeI8K

  14. Valdeci says:

    Parabéns pelo artigo! Muito didático. Só tenho uma dúvida: você cita que o Kai usa bombas movidas a energia solar. São fáceis de encontrar? Tenho interesse em montar um parecido com este em casa, mas temos muitos problemas com “apagões” por parte da fornecedora de energia local, que estão cada dia mais frequentes.

    vlw,

    t+

    Valdeci

  15. Lucia Malla says:

    Oi Valdeci, então, uma bomba movida a energia solar não é fácil de achar – razão pela qual ainda não pusemos uma em nossa aquaponia tb. A q o Kai usa provavelmente ele fez por conta própria, comprando os materiais básicos. Mas de qqer forma, vou perguntar pra ele se ele sabe de alguém ou alguma marca q venda, ok?
    Abraços.

    1. Eduardo says:

      Olá Lucia, Parabens pelo seu belo sistema aquaponico, va ser de muita utilidade para mim…
      sei de uma bomba muito simples e ecologica que poderia ser de utilidade, o sistema esta explicado no youtube:

      http://www.youtube.com/watch?v=x8kJ3l4yPLU&feature=player_embedded

      Ate mais e muto obrigado

  16. Roberto says:

    Olá, muito rico em detalhes seu post, obrigado por compartilhar sua experiência e conhecimento. Estou procurando um sistema para mim também, e creio que vou começar através do seu. Obrigado novamente.

    1. Lucia Malla says:

      Obrigada, Roberto! :)

  17. Hélio says:

    Muito bacana a matéria. Estou montando meu sistema há em torno de 2 meses. Estou adaptando uma piscina de fibra de vidro (+ ou – 2.80 X 1.50 m) e gostaria de começar a colher logo-logo minhas alfaces e tomates.
    Parabéns pela forma didática da matéria.

    1. Lucia Malla says:

      Espero q tenha tido sucesso, Hélio. Numa piscina dá pra colocar uma quantidade razoável de peixe…

  18. André says:

    Buenas, parabéns!
    Gostaria de saber sobre a pedra de lava. Onde comprar? Tem alguma loja com site que venda esta pedra?

    1. Lucia Malla says:

      Não sei no Brasil, André. Aqui nos EUA, a pedra de lava foi baratinha, pq é bem comum na região que moro. Será que não daria pra vc testar um cascalho poroso, por exemplo?

  19. priscila barreto mendonça says:

    OLá gostaria de saber mais sobre aquaponia, por favor tem c fazer curso sobre aquaponia ou aprender com vcs…estudo aquicultura, em santa catarina, gosto muito dessa área.
    desde já agradeço
    Priscila tenho 29 anos

    1. Lucia Malla says:

      Não sei sobre curso, não, Priscila… Mas tem um grupo no Facebook do qual faço parte, chamado Hawaii Aquaponics. De lá, vc pode chegar a diversos links mais especializados no tema. Boa sorte. :)

  20. Luiz Cardoso says:

    Poderia me informar sobre a Maré, não entendi como ocorre a movimentação da água dentro da caixa de pedra ( canteiro ). Fui informado que a água deve entrar de tempos em tempos, será esse o sistema de maré que vc. fala?

    Parabéns pela descrição clara e objetiva.

    1. Lucia Malla says:

      Luiz, a água fica correndo o tempo todo. A “maré” é formada pela água que vai enchendo o canteiro até que o sifão central faz com que ela saia de uma vez só pro tanque dos peixes. Aqui em casa, por exemplo, esse ciclo leva meia hora. (1/2 hora pra encher o canteiro, o sifão ser acionado e a água vazar.)

      1. Marcelo Calvete says:

        Estou procurando entender para aplicar aqui em casa. O Sifão suga a água como? Nunca vi um funcionando?

  21. Joao R says:

    Very interesting.. im loving aquaponics!!!!
    best regards,
    Joao

  22. Jean Jedson Adriano says:

    muito boa a postagem. tem como passar as dimensões dos tanques e dos canteiros, além da vazão da bomba? obrigado

  23. Marcelo Calvete says:

    Gostaria de saber sobre a capacidade do motor e quantos peixes eu poderia ter em um tanque de 500 litros. Alguém já tentou criar traira nesses tanques. Como faço para plantar a semente no meio das pedras porosas? Desculpa tantas perguntas (idiotas) mas estou começando e quero implantar na minha casa. Att.

  24. Alexandre Talarico says:

    Show de bola!!! Gostei muito e como todo fão vou tentar imitar… Uma duvida porem: Como é o mecanismo do sifão? Como ele controla o esvaziamento (vazão e tempo)? Abs e sucesso!!!

  25. Marco8ball says:

    Olá lucia sou de sâo paulo e tenho um sisteminha aquaponico verticau
    Tem dado serto, mas esta demorando para desenvolver,sera que é por
    Causa da constante corrente nas raizes?

  26. [...] Aquaponia: alimentação saudável ao alcance de todos [...]